Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Brasil

Dioceses

» » » » » #EEMP Pregadores Íntimos da Palavra


2ª Pregação: Pregadores Íntimos da Palavra 
Lázaro Praxedes (membro do da RCC Diocese de Guaxupé-MG.)
                      
A intimidade com a Palavra foi tema da segunda pregação do Encontro Estadual de Pregadores. Lázaro Praxedes exorta a todos os pregadores que o Senhor os reúne nesta manhã como profetas, convidando-os a olhar para a Palavra, “toda ela escrita com letras maiúsculas porque Jesus é a Palavra”.
Por meio do livro do Êxodo 3, 1 -13, que narra o encontro de Moisés com Deus no monte Horeb, Lázaro enfatizou que Moisés era um simples pastor que levava todos os dias as ovelhas para pastar, mas um determinado dia, o Senhor o chamou para ir além do deserto. Naquele monte acontece um fato misterioso, uma sarça que não se consumia. Quando ele toma a decisão de ir além, ele escuta uma voz. Lázaro levou todos os pregadores a observar os dois verbos: aproximar e querer conhecer a Deus e olhando essa decisão tomada por Moisés, Deus também quer ser íntimo dele.
Deus dialoga com Moisés e manda ele de volta ao Egito por mais 40 anos, agora no deserto. Segundo Praxedes, o deserto, biblicamente é um lugar de encontro com Deus. “A você pregador que está caminhando no deserto. No início da caminhada tudo parece fácil, mas com a caminhada as dificuldades vêm, e o Senhor nos manda ao deserto. Parece que lá Deus não nos escuta, mas devemos permanecer na presença de D’Ele”.
Lázaro pede aos pregadores que mostrem a Deus que eles não o buscam só por aquilo que Ele dá. “Alguns cantam que querem voltar ao primeiro amor, porém não devemos querer voltar ao primeiro amor, porque hoje o nosso amor por Ele evoluiu. Na vida espiritual devemos caminhar para frente, não retroceder”.
Continuando no livro do Êxodo 33, 7 – 11 acompanhamos um momento ímpar de Moisés com Deus. Aquele que era pastor de ovelhas conversava com Deus face a face como um amigo. E esse foi o nível do relacionamento.  “A oração é uma procura, uma busca constante e perene daquele que procura”, reforça o pregador, citando a oração de Santa Terezinha do Menino Jesus.
Por meio da Palavra ainda Lázaro vem apresentando que o mundo não reconheceu a Jesus como luz. A luz estava no mundo, mas os homens preferiram as trevas. O verbo se fez carne e habitou entre nós. Jesus é a Palavra de Deus. Deus pronunciou uma única palavra: Jesus!
Na página 26 do Documento Verbum Domini encontramos a confirmação de que a Palavra tem um rosto – Jesus de Nazaré.  “Somos chamados a viver uma intimidade com a Palavra. A Palavra não é um livro é uma pessoa – Jesus Cristo”.
No Catecismo da Igreja Católica nº 2653 a Igreja nos diz: aprendam a ciência – conheçam a Jesus. Através da leitura frequente da Sagrada Escritura acompanhada pela oração, para manter um diálogo – fala e escuta. Quando nos colocamos diante da Palavra, Ele mesmo se coloca a nossa frente- intimidade com Deus através de uma vida diária de oração.
Lázaro ressaltou que a pregação é antes de tudo um dom dado por Deus.  Exortando que em muitos lugares falta conteúdo bíblico nas pregações, uma unção extraordinária. E nessas vezes quando vamos analisar a vida do pregador percebemos que infelizmente, não se tem uma vida de oração.
Há um preço a ser pago para ter uma vida e uma unção extraordinária. A unção da pregação passa pelos nossos joelhos. Antes de ser alguém que fala de Jesus somos chamados a estar diante D’Ele de coração e buscar saber qual a sua vontade para aqueles que vão nos escutar.
Quais são os meios? Não é pesquisa no Google, mas estar diante da presença de Deus. A oração não é só falar e falar com Deus, mas quando você amadurece você aprende que é ouvir, ouvir e ouvir.
Quanto tempo você tem gastado com o Senhor? Muitos os santos já trilharam o caminho. Santa Tereza D’Ávila escreve algo muito profundo no tempo das viagens marítimas quando os homens voltavam contando fábulas das grandes viagens marítimas. Ela já exortava que a maior viagem que o homem pode empreender não está em visitar outros continentes, mas a vida interior.
Passamos a vida conectados na internet e perdemos o essencial. A missão de Santa Tereza D’Ávila era ensinar as freiras a viver esse caminho interior: ela apresenta nossa vida interior como um jardim.
No primeiro degrau - ela considera como nossa alma indo buscar água com um grande balde várias vezes ao poço e voltando para regar o jardim, esse degrau Santa Tereza considera o degrau dos iniciantes na vida de oração, no qual exige muito esforço humano;
No segundo degrau - a água é tirada por nora e alcatruzes, girando. Ainda exige esforço humano, mas consegue pegar mais água  - Deus já consegue conquista a nossa vontade;
No terceiro degrau – trazê-lo por meio de um rio ou arroio – um canal – conquista a tua vontade, inteligência, memória e desapego das coisas criadas – coração voltado inteiramente para o Senhor;
No quarto degrau – chuvas frequentes e copiosas (o Senhor que rega – o jardineiro não tem mais trabalho – união perfeita a Cristo e aos irmãos);
4 degraus da vida espiritual (escada que damos um passo sem retroceder).
Moisés tomou a decisão de ir para além do deserto. Esse é o chamado para avançarmos na vida espiritual, subir mais um degrau, subir a outro nível. Não é fácil rezar. É uma violência. Dificuldade de concentração, o nosso corpo não quer. O caminho se denomina via, temos na Via purgativa uma luta para vencer os pecados - vencemos e caímos. Já na Via iluminativa - já vencemos os pecados. Há um desejo profundo de Deus em se fazer conhecido por nós.
Amós 3, “Porque o Senhor Javé nada faz sem revelar seus segredos aos profetas, seus servos”. O Senhor quer se revelar a nós. O caminho para conhecer esse segredo é a oração e estar diante da sua presença.
Deus ama todos os homens de todos os tempos da mesma forma.  Mas Ele tem suas escolhas, porém não é mais amado, porque tem níveis de relacionamentos. Entre os 72, 12 foram chamados e 1 foi escolhido para encostar a cabeça em seu peito. Intimidade é um caminho para poucos. Quem deseja trilhar o caminho de intimidade? Salmo 24, 14; Provérbios 3, 32
O Senhor se torna íntimo daqueles que tem sede.
Compreender para melhor crer. A Sagrada Escritura precisa ser um alimento diário. Não podemos dormir sem beber dessa fonte inesgotável. Precisamos mergulhar na Palavra, conhecê-la não porque pesquisamos no Google, mas porque assimilamos com a própria Palavra.  O Espírito Santo é quem dá o conhecimento da Palavra. Devemos desejar ser um homem e uma mulher íntimos do Senhor, mas pelas nossas próprias forças não conseguimos.
Analisemos que degrau você está?
A pregação de Lázaro foi finalizada com um momento forte de clamor do perdão de Deus com todos os pregadores de joelhos e depois todos de pé com as bíblias nas mãos se decidindo a darem a vida pela Palavra de Deus e amando a Deus acima de qualquer coisa.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga