Congresso Estadual 2019

Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

» » » » » Na homilia da missa do 2º Dia do 18º Congresso Estadual da RCC Bahia Pe. Marlon Múcio explica a diferença entre Batismo Sacramental e o Batismo no Espírito Santo



HOMILIA DA MISSA DO SÁBADO


Pe. Marlon Múcio
(Fundador da Comunidade Sedes Santos – Taubaté - São Paulo)

Que graça, estarmos reunidos no momento histórico da corrente de graça da Renovação Carismática Católica, estamos celebrando neste ano de 2019 o jubileu de ouro da RCC BRASIL, há 50 anos a RCC chegou ao Brasil, estamos no mês missionário extraordinário e todo batizado já é pela força própria do batismo um missionário.

Pe. Marlon relembrou a moção dada ao Conselho da RCC BAHIA “RECOMEÇO E MISSÃO”, tem tudo haver, ora, estamos no mês das missões celebrando o Jubileu de Ouro da RCC BRASIL e 46 anos da RCC Bahia. Neste 18º Congresso Estadual o Senhor nos chama para retornarmos as nossas origens, não é por acaso que estamos aqui onde começou a evangelização no Brasil e onde aconteceu a primeira Missa.

Na primeira leitura através do Apóstolo Paulo o Senhor nos diz, vocês vivem no Espirito, não se deixem guiar pela carne, não satisfaçam a carne... uma pessoa que faz parte desta corrente de graça que é a Renovação Carismática Católica, deve ser perito em Vida no Espírito Santo.

O batismo no Espirito Santo não é um novo sacramento ou invenção nossa que somos carismáticos, no batismo sacramental ouve um infusão e no batismo espirito ouve uma efusão, no batismo sacramental o Espírito passou a morar em nós e no batismo no espírito temos uma oportunidade em morar no Espírito Santo é uma inversão de papéis, o Espírito vem borbulhar, ferver a graça do espirito sacramental, vem colocar em ponto de ebulição aquela agua da pia batismal a qual fomos feitos cristais de tal maneira que efusão do Espírito Santo ou batismo no Espírito é para todos nós uma grande Graça, porque se o Espírito Santo já morava em mim posso agora morar nele, se ele agir em mim, posso agora agir nele.

A questão da conversão que aparece muito forte no Evangelho, se você planta morango, você vai colher morango, se você planta abacaxi vai colher abacaxi, ora você colhe o que planta, não é por acaso que no nosso movimento eclesial falamos de semear a cultura de Pentecostes, de lançar a semente do Espírito, assim como o Espírito Santo foi semeá-lo em nossa vida é preciso partir no poder do Espirito, semeando o Evangelho nos corações.

Muita gente renuncia ao diabo e pouca gente renuncia a si mesmo, parece que é mais fácil renunciar ao capeta do que a nós mesmos. Precisamos renunciar ao maligno, mas muitas vezes o maligno sou EU, ele existe é o pervertido e perversor,  decaído decadente e nos leva a decadência, mas é preciso que renunciemos a nós mesmos para vivermos uma fecunda vida no Espírito. É preciso viver da forma que Deus quer que vivamos.

Caríssimos querem que a vida, o Grupo de Oração, a família, o Ministério de vocês seja fecundo? Querem viver uma vida no Espírito e não satisfazer os apetites da carne? Querem frutificar onde estão plantados? Amem sempre e muito e ensinem a amar Jesus, Maria e a Igreja.

(Transcrição: Redação MCS Bahia)



«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga