Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

A RCC de Feira de Santa realiza “23º Vem Louvar”


Entre os dias 26 a 28 de abril no período da Micareta acontecerá no Ginásio do Sesi no bairro Jardim Cruzeiro o 23º Vem Louvar. Um evento anual e gratuito, promovido pela Renovação Carismática Católica da Arquidiocese de Feira de Santana (RCC Feira de Santana) como uma opção para todos os que não vão às ruas atrás do trio elétrico, mas que na alegria e na oração vão atrás de Jesus.

Esse ano o Vem Louvar traz como tema: O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado (Rm 5,5), tema proposto para a vivência de toda a RCC neste ano de 2019, propondo as pessoas a fazerem uma experiência profunda do Amor de Deus em seus corações por meio do Espírito Santo que foi dado por Deus a cada um.

O Vem Louvar é constituído por animações, orações, pregações, adoração, missas e shows com cantores católicos. Este ano, a 23ª edição do Vem Louvar contará com a presença de Moisés Rocha, Pe. Helder, Frei Francisco e os cantores Cosme (Rio de Janeiro) e Eliana Ribeiro. Também contará com a presença do Pe. Evangevaldo Almeida, Assessor Eclesiástico da Renovação Carismática Católica da Arquidiocese de Feira de Santana e Dom Zanoni Demetino Castro, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Feira de Santana.

 O presidente da RCC Feira de Santana, Alexnei Freitas, e toda a comissão calculam que o público estimado para esse ano seja de aproximadamente sete mil pessoas que, assim como muitos que já participaram das edições anteriores, possam ter um encontro verdadeiro com Jesus e terem suas vidas transformadas.

Muitos por um motivo ou outro se decepcionaram com amores terrenos, se sentem sozinhos, abandonados, carentes, mas Deus pleno em Amor quer amar e valorizar cada um. Ele é o amor verdadeiro, o amor fiel, o amor incondicional. Porém seu Amor só se faz sentir quando se deixa ser conduzido pelo Espírito Santo, dando total liberdade para que o Espírito adentre os lugares mais secretos do coração para curar todas as feridas, purificar toda sujeira guardada: ódio, rancor, inveja, orgulho, etc.

O 23º Vem Louvar também conta com espaço de evangelização e animação para crianças por meio do Vem Louvarzinho, a Tenda Jovem Universitária, espaço específico para os jovens e universitários e a Casa de Maria, espaço destinado a oração com casais, aconselhamento com sacerdotes, etc.

A Praça de alimentação conta com apoio de todos os Grupos de Oração pertencentes à RCC Feira de Santana, sendo também um espaço de fraternidade e alegria. Muitas caravanas de outras cidades circunvizinhas também são esperadas para esse grande evento de animação e oração. Você não pode deixar de participar! Venha e traga toda sua família, sua vizinhança, seus amigos e sua Paróquia. Venha louvar conosco!

Ministério de Comunicação Social
RCC Feira de Santana

#EECNGO RCC Bahia celebra a edição 2019 do encontro para lideranças


A Renovação Carismática Católica (RCC) do Estado da Bahia realizou nos dias 30 e 31 de março o Encontro Estadual para Coordenadores e Núcleos de Grupo de Oração, no Colégio Santo Antônio, nos Capuchinhos em Feira de Santana. Em paralelo a este encontro, aconteceu também a Reunião dos Ministérios no Colégio ECASSA. Os Coordenadores Diocesanos de Ministérios reuniram-se com o seu coordenador (a) Estadual para rezar, planejar e traçar metas e formações. Os demais encontristas permaneceram no Colégio Santo Antônio e participaram das pregações, adoração ao Santíssimo e Santa Missa.

Participaram do Encontro cerca de 1300 pessoas, entre Coordenadores de Grupos de Oração e Ministérios de todo o estado. Este ano o Encontro teve como tema: Grupo de Oração, lugar de Santidade.

Na manhã de sábado, 30, no Colégio Santo Antônio o encontro iniciou com orações marianas e animação. A Presidente do Conselho da RCC do Distrito Federal, Keila Souza, foi a primeira a pregar e teve como tema: Dimensões do serviço. Em sua pregação, inspirada pela passagem de Ef 3, 18-19, ela enfatizou que o Senhor tem propósitos divinos para cada um, que toda dimensão (comprimento, largura, altura e profundidade) de Deus ultrapassa os conhecimentos humanos. Ela destacou ainda que Deus quer que todos estejam plenos d’Ele e assim, envolvidos nos serviços cristãos destinados a cada um e dando continuidade a missão de Cristo em todo o mundo.

Keila apresentou algumas dimensões do serviço cristão, a saber: a)identidade (escolha, chamado, capacitação divina - cooperação humana e envio); b) salvífica (o serviço se torna a mão de Deus aos outros dando continuidade a Sua obra de Salvação); c) relacional (relacionamento com o outro – comunhão com Deus e os irmãos)d) comportamental (testemunho de santidade, obediência e humildade entranhada); e) comunitária (Santíssima Trindade, unidade na diversidade e cooperação mútua na Igreja); f) esponsal(alto grau de comprometimento, cf. Rm 12, 11-12); g) mandamental(o cumprimento do Mandamento de Deus: Amarás a Deus de todo o teu coração e ao próximo como a si mesmo).

A 2ª Pregação ficou por responsabilidade do Presidente do Conselho Estadual, Frederico Mastroangelo, com o tema: Entrando na Tenda. Ele apresentou a figura de Moisés (Ex 33, 7) que foi escolhido por Deus para libertar o povo da escravidão do Egito e destacou que até os dias atuais, Deus segue escolhendo e não erra nas Suas escolhas, ainda que existam dificuldades e murmurações. É importante, contudo, ir sempre a Tenda do Senhor para escutar o querer de Deus. Por fim, Frederico exortou aos coordenadores a serem como Moisés e núcleo a ser como Josué. Para finalizar a parte da manhã, ocorreu o momento de Adoração ao Santíssimo, onde os presentes puderam se colocar em oração e louvor.

A 3ª pregação, também realizada por Keila Souza, teve como tema: Escuta e discernimento. Destacou a necessidade de silenciar e buscar escutar atenciosamente o Senhor, além de conhecer a Deus para facilitar o discernimento. Portanto, o Núcleo do Grupo de Oração deve diariamente ouvir a Deus e discernir Seu querer. Ao final do dia, o Pe. Evangevaldo de Almeida, Assessor Eclesiástico da RCC Feira de Santana presidiu a Santa Missa. Em sua homilia, ele comentou a importância em aprofundar as raízes em Deus para gerar novos frutos. O Padre também lembrou sobre o período quaresmal e orientou aos fiéis a se despir soberba e preguiça.

No segundo dia do Encontro, as pregações tiveram como temas: Autoridade Espiritual e Grupo de Oração em Saída. Ricardo Santos, Presidente do Conselho da RCC de Caetité, ministrou a primeira pregação e exortou: “Coordenadores, vocês têm a obrigação de cumprir a vontade de Deus”. Ele reforçou a necessidade de ser batizado e estar em estado de graça como fatores necessários para obter autoridade espiritual e fazer-se cumprir sua obrigação. Elencou ainda 6 pilares fundamentais: 1) intimidade; 2) santidade/retidão; 3) arrependimento; 4) obediência; 5) docilidade do Espírito e 6) testemunho. Por fim, Ricardo afirmou que o Espírito Santo deve agir nos Grupos de Oração.

A Presidente do Conselho da RCC Distrito Federal foi a responsável pela última pregação e ressaltou que o Grupo de Oração é na vida de cada um e ponto de saída para uma vida nova. Keila convocou a todos a serem como os apóstolos, que não esperaram o povo e sim iam ao encontro do povo. Sendo assim, não é válido esperar que o povo venha a nossos Grupos de Oração e sim sair em missão indo até onde as pessoas se fazem presente. Ao final, ela utilizou o Documento de Aparecida nº 548 em que afirma a necessidade de ir ao encontro das pessoas, das famílias das comunidades, dos povos para comunicar o amor de Cristo.

O Encontro foi encerrado com a Santa Missa presidida por Dom Zanoni Demetino Castro, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Feira de Santana. Em sua homilia, ele também convidou os presentes a agirem como discípulos missionários e peregrinar a fim de apresentar Deus a todos os povos.

Por fim, Frederico apresentou o Conselho Estadual e convocou a todos os servos da RCC Bahia a rezarem pelo Congresso Estadual deste ano de 2019.



Denise Branco
Grupo de Oração Rios de Água Viva
Arquidiocese de Feira de Santana 

#EECNGO 5ª Pregação - Grupo de Oração em saída


Keila Souza – Presidente da RCC Distrito Federal

Qual a importância do Grupo de Oração em sua vida? Pense em sua história, se recorde da sua vida antes e depois do Grupo de Oração.

Temos milhares de testemunhos das graças de Deus a partir de um Grupo de Oração.

Você chegou ao Grupo de Oração, o que Deus fez em sua historia? Para onde Deus te levou e te leva? O Grupo de Oração não é ponto de chegada, é o ponto de partida, de saída para uma vida nova. Nós não podemos estar confinados achando que o Grupo de Oração é tudo. O Grupo de Oração é o início da eternidade, início da graça que não passa, da graça que não cessa. O que Deus tem reservado para nós é mais, é infinitamente maior do que tudo que já experimentamos.

A igreja nos fala, no documento de Aparecida nº 362 “Necessitamos que cada comunidade cristã se transforme no poderoso centro de irradiação da vida em Cristo. Esperamos um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da desilusão, da acomodação ao ambiente. Esperando uma vinda do Espirito, que renove nossa alegria e esperança. Por isso, é imperioso assegurar calorosos espaços de oração comunitária que alimentem um fogo de um ardor incontido. E que torne possível um atraente testemunho de unidade para que o mundo creia. Um fogo incontido, aquele que não conseguimos conter, ele arde de um uma forma incontida. Nossos Grupos de Oração precisam ser esses calorosos espaços de oração que façam o fogo, o fogo que queima, que esse fogo de ardor incontido possa se alastrar.

Atos 2

Quando paramos em nossa humanidade, paramos naquilo que somos capazes por nós mesmos. A fé nos atira para aquilo que não somos capazes pela força humana, mas nos tornamos capazes pela força de Deus. Então os apóstolos estão ali, no contexto que tinham fugido, tinham negado, estavam com medo de perder a suas vidas, mas com a vinda do Espírito Santo, aqueles apóstolos saem do Cenáculo. Eles saem daquele espaço de oração comunitária, que alimentou neles o fogo de um ardor incontido.  Nós somos chamados a viver verdadeiramente o fogo do ardor incontido, pois se nós não temos saído e porque nossos Grupos de Oração não têm sido calorosos, espaços de oração comunitária a ponto de alimentar em nós esse fogo.

Quando nossos Grupos de Oração recebem essa graça, do fogo incontido, que seja a  partir do núcleo, que seja a partir da reunião de oração, do grupo de perseverança, o Grupo de Oração para nós se torna ponto de partida.

Nós só estamos aqui porque os apóstolos saíram do Cenáculo. Tem muitos filhos de Deus, que precisam estar aqui, mas só estarão se nós tivermos o Grupo de Oração como ponto de partida. São João Paulo II vai dizer que “os Grupos de Oração são uma graça para santificar a Igreja, renova nela o gosto pela oração. “Essa graça não pode ficar retida, não temos o direito de achar que essa graça e só para nós. Não temos o direito de esperar que as pessoas venham ao Grupo de Oração, porque os apóstolos não esperaram, imbuídos da graça eles foram, eles partiram.

No nº 548 do Documento de Aparecida “a igreja clama pela voz de nossos pastores. Necessitamos de um novo Pentecostes. Necessitamos sair ao encontro das pessoas, das famílias das comunidades, dos povos para lhes comunicar, a partir do dom do encontro com Cristo que tem preenchido nossas vidas de sentidos, de verdadeiro amor, de alegria e de esperança”.  

Quantas pessoas estão à mingua, estão tirando a própria vida, estão tirando a vida daqueles que Deus lhes deu como família, quantas pessoas desesperadas, e nós tendo o Grupo de Oração como ponto de chegada. O senhor está nos falando pela voz da Igreja “é preciso ir aqueles que necessitam da graça de Deus” é preciso levar as graças para as pessoas que estão perto de nós, mas longe de Deus.  Para isso precisamos estar cheios do fogo incontido, pois não há evangelização sem a ação do Espirito Santo, e Ele quer nos impulsionar. 


Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra
Ouriçangas - Bahia

#EECNGO 3ª Pregação - Escuta e Discernimento

Keila Souza – Presidente da RCC Distrito Federal

Em meio ao barulho ou desatenção nossa escuta e prejudicada. Quando nosso ser não está inteiro nossa escuta fica prejudicada. Nós somos chamados a escutar com atenção aquilo que Deus nos quer falar para que não deixemos a graça passar.

Não se tem discernimento quando não se conhece. Conhecendo a Deus e fácil discernir sua voz. Só temos agilidade e habilidade de saber o que Deus quer, quando temos uma boa relação com o Metre. Desde sempre e em todo o lugar Deus está nos chamando. Nós somos vocacionados a  comunhão com Deus, vocacionados a escutar a Deus, pois viemos Dele e para Ele retornaremos.

1 Samuel 3, 1-10 “ Vocação Profética de Samuel” 

A vocação se dá pela escuta de Deus. Samuel não conhecia a voz de Deus, mas servia ao Senhor.
Se não sabermos distinguir a voz do Senhor, não poderemos voltar-se para Deus. Samuel colocou-se como servo e assim reconheceu a voz do Senhor.

O diálogo com Deus é uma conversa interior. Quando conversamos com Deus, só ouvimos nossa voz, mas a palavra de Deus vai se formando dentro de nós e sentimos que Deus esta falando.

Escutar a Deus é muitas vezes discernir entres duas situações. Escutar a Deus é muitas vezes desistir de nossos planos e acolher a vontade de Deus. Saber até onde estamos falando e a partir de que momento o Senhor está falando conosco.

Quando nos colocamos diante de Deus sentimos a alegria das transformações de nossos desejos.
Escutamos a Deus de inúmeras formas. Pelas manifestações dos carismas, pela inspiração, pela forma de sentirmos e conhecê-lo, através de outras pessoas, dos acontecimentos... Escutar a Deus precisa ser acompanhado pelo discernimento do que Deus quer.
Assumimos os nossos ministérios com mais convicção, quando escutamos a voz do Senhor.

O núcleo de serviço do Grupo de Oração deve constantemente ouvir a Deus, mas que isso, discernir a vontade do Senhor. A reunião de oração não precisa ser da mesma forma sempre, para isso que acontece as reuniões de núcleo, para escutar a vontade de Deus para nossas reuniões de oração.
Fazer a vontade de Deus nem sempre e fazer o mais fácil, na maioria das vezes será fazer o mais difícil.

Como escutar a Deus se estamos inquietos? Como discernir se não estamos escutando a Deus?Precisamos estar atentos para não deixar a graça passar.

Não haverá escuta genuína, sem estar aos pés do Mestre.

Deus está nos chamando a maturidade. Está nos chamando a entrar na tenda e escutar o Senhor.   

Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra
Ouriçangas - Bahia

#EECNGO 2ª Pregação - Entrando na Tenda


Frederico Mastroangelo – Presidente do Conselho Estadual da RCC Bahia


Este lugar é a tenda que Deus preparou para nós!

Palavra em Ex 33,7.

Todos nós somos escolhidos de Deus, assim como Ele escolheu Moisés e não errou na sua escolha, independente daquilo que você tem vivido, foi Ele que te escolheu e Ele não erra na escolha. Se Moisés encontrou problema, porque sua coordenação não vai encontrar?  

Os irmãos do seu Grupo de Oração (GO) também vão murmurar, mas assim como Moisés, você deve saber quem deve estar consultando. Moisés colocou a tenda como lugar de consulta a Deus. A quem você tem consultado. 

Este encontro é fruto de uma consulta ao Senhor.

Quais atividades para 2019 que são frutos de uma consulta ao Senhor e quais são? Porque os outros produzem frutos que não estão sendo colhidos? Pode ser por causa de não estarem consultando ao Senhor

O que fazemos quando o povo murmura? Estamos indo a tenda, ou estamos fazendo outra coisa? O Senhor revela seus planos aos seus escolhidos.

Eu creio que quando Deus promete Ele cumpre!

Aqui é a tenda, a coluna de fumaça está aqui, a mão Dele vai descer e vamos contempla-lo face a face. Não adianta ir a tenta murmurando, ou eu vou na tenda com um desejo de buscar ao Senhor e colher aquilo que Ele tem, ou vamos repensar a nossa atitude,

Precisamos de uma decisão interior, entrando na tenda, mas não de qualquer forma!

“Eu quero Me presentear a você, Eu quero te dar um novo jeito de orar, até que seu rosto brilhe na minha presença, assim como o de Moisés”, diz o Senhor! Eu preciso querer a promessa do Senhor!

O Senhor revela os seus segredos aos seus escolhidos. “A minha unção está se esbarrando no seu excesso de naturalidade, não tem jeito é preciso entrar na tenda”,

Existe um povo ainda a ser liberto! Hoje Ele quer contar comigo! É preciso entrar na tenda de coração aberto.

É preciso dar espaço ao Espírito Santo para Ele agir na Igreja, assim como Ele agia no início, pois Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre!

Quem é o Josué, Arão ou o Ur que Deus colocou ao seu lado? É o seu núcleo de serviço. Você precisa manter os braços de seu coordenador erguido. Você tem a responsabilidade de ajudar seu Moisés.
Moisés não entrou na terra prometida, Josué quem guiou o povo. Josué estava junto a Moisés, e quando ele saia Josué continuava.

Possa ser você que será o Moisés amanhã.


Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra
Ouriçangas - Bahia

#EECNGO 1ª Pregação - Dimensões do Serviço

Keila Souza – Presidente do Conselho Estadual RCC Distrito Federal

O serviço cristão é o meio de darmos continuidade ao serviço de Cristo.

Nós servimos a Deus não por nossa escolha, mas porque desde o início fomos escolhidos por Ele. Deus já tinha previamente determinado antes mesmo de imaginarmos nossa existência.

O serviço cristão se dá por algumas dimensões:

1° IDENTIDADE - Reconhecemos a identidade do serviço cristão a partir de quatro palavras muito conhecidas por nós.

ESCOLHA - A nossa identidade de servo de Deus se dá primeiramente, pela escolha. Uma escolha de Deus em nosso favor. “antes que no seio materno fossemos formados Ele já nos conhecia e amava”. Deus nos escolheu primeiro.  Essa dimensão identitária passa por uma certeza de escolha. Escolher é separar, selecionar, eleger. Sabe por que você está aqui? Porque Deus te escolheu, te separou, te selecionou como servo Dele. Servo Dele coordenando um Grupo de Oração, servo dele compondo o núcleo de serviço, Deus te escolheu. Nós precisamos ter isso muito claro, nós estamos aqui porque Deus, assim como Ele nos amou primeiro, Ele nos escolheu primeiro. E tendo nos escolhido Ele nos chamou.


CHAMADO - Ele nos chama, e palavra chamar significa pronunciar em alta voz o nome de alguém para que venha, é convocar, é despertar alguém a seu encontro. O Catecismo da Igreja Católica n° 878 nos ensina que o chamado é pessoal. Para ser testemunha pessoal, assumir cada um a responsabilidade diante daquele que dá a missão. Deus não chama a multidão, Ele chama o Individuo. Deus já havia escolhido cada um dos apóstolos, discípulos, mas Jesus foi a cada um deles falar sobre o chamado, assim como Deus foi ter com cada um de vocês, e nos chamou “ vem e segue-me, vem servir a mim”. Esse chamado ressoa na alma, mesmo quando não queremos, mesmo quando vacilamos, força do chamado é maior que toda nossa fraqueza.  Isso faz parte da identidade de nosso serviço. Fomos escolhidos, fomos chamados, mas também somos capacitados.

CAPACITADO - Ser capacitado é ensinar, tornar hábil, tornar bom para um determinado serviço. Tornar alguém competente para aquilo. Não servimos a Deus porque somos capazes, mas dentro da escolha de Deus, com a graça Ele nos capacita nos ensina aquilo que é necessário para a missão que Ele nos determinou. Essa capacidade divina é potencializada pela cooperação humana, quando nós cooperamos com a graça. E como cooperamos com a graça? Quando nós nos damos ao conhecimento de Deus.

ENVIO – Enviar é mandar ir. É confiar uma tarefa. “vai querido, vai onde eu não posso ir fisicamente” nós somos as mãos de Deus, o olhar de Deus, o corpo de Deus no mundo. Ele nos envia a ir em seu nome. O documento 105 da CNBB vai nos dizer que o serviço do leigo não é menos importante do que o serviço do clero.  A importância do serviço a Deus não se dá pela função que nós ocupamos. A importância do nosso sim a Deus se dá pela graça do batismo, que nos confere a dignidade. Essa dimensão identitária vai nos identificar como servo do Senhor. Escolhido, chamados, capacitados e enviados a ser presença de Deus no mundo.   

2a SALVIFICA- Vem da salvação, pois a missão de Jesus, como nos fala (São João capitulo 3, 16) “a missão de Jesus é a missão de Salvar”. Quando servimos a Deus o nosso serviço se torna uma extensão da mão de Deus na continuidade da sua obra de Salvação. O nosso serviço a Deus é dizermos “Sim senhor, faça de mim uma extensão de tua mão e dê continuidade a sua obra de salvação.” Deus nos envia para que muitos outros vivam a experiência da salvação.

3a RELACIONAL – que se dá no relacionamento, no relacionar-se com o outro. O serviço a Deus exige uma estreita relação com Deus, uma estreita comunhão com aquele que nos escolheu, nos chamou, nos capacitou e nos enviou. “A missão é o extravasamento da graça recebida aos pés do Mestre” (São Francisco Xavier) Não pode ir aquele quem não vem ao encontro do Mestre. Quanto mais estou com Ele, mas eu posso ser voz de Deus.

4a COMPORTAMENTAL - que vem de comportamento, de como eu me comporto. O serviço cristão exige um testemunho de santidade. No parágrafo 116 do documento 105 da CNBB diz “A santidade de vida torna uma igreja atraente e convincente, pois os santos movem e abalam o mundo”. Se as pessoas não estão vindo a Jesus, é porque nosso testemunho não está sendo atraente.  Se nossas situações não estão sendo mudadas é porque não estamos dando um atraente e convincente testemunho de santidade. Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Quando estamos apegados as coisas do alto nós começamos a viver uma luta cada vez maior para estarmos de acordo com as coisas do alto.

Todos os dias pecaremos, mas todos os dias temos a graça de nos encontra com a misericórdia divina. A obediência é um dos pilares que sustenta a nossa autoridade espiritual. Nossa obediência não deve ser exterior, mas interior, devemos obedecer de coração. 

5a COMUNITÁRIA - a Igreja é a imagem terrena da comunidade. Não há Igreja sem comunidade. Devemos ser comunidade e por vezes queremos viver afastados da ação comunitária, da vivência com os outros. Assim como Deus é um só na diversidade das três pessoas, também a Igreja é unidade na diversidade. Aí somos chamados a compreender que devemos viver a cooperação mútua dentro da dimensão comunitária. Se não unirmos nossas forças não vamos a lugar nenhum.  Independente da função que fomos chamados devemos passar por uma cooperação mútua.

6a ESPONSAL - que vem da experiência de esposo.  O serviço a Deus requer de nós um alto grau de comprometimento.  A alegria de servir a Deus deve ser maior que qualquer barreira.  O nosso serviço a Deus deve viver a dimensão de entrega total. Independente da situação que estejamos vivendo, o servir deve ser com alegria.

Deus nos chamou nos capacitou e nos enviou, nos enviou numa dimensão de amor.

7a MANDAMENTAL – que vem dos mandamentos. Nos evangelhos, em especial o de Matheus capítulo 22, 34 ”Amarás o Senhor teu Deus...”. Posso não conhecer todos os mandamentos, mas nesses dois se resume todas a lei dos profetas.  Essa é a última relação que falamos aqui, a dimensão mandamental, do amor de Deus, mas também do amor ao próximo.  A obra de evangelização pressupõe ao amor fraterno. Devemos servir com amor a Deus e também ao próximo.

Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra
Ouriçangas - Bahia

#EECNGO 4ª Pregação Autoridade Espíritual

Ricardo Santos – Presidente do Conselho Diocesano da RCC de Caetité

A Bahia tem quer ser conhecida como um povo avivado no Espírito Santo. 

A autoridade espiritual é um poder delegado por Deus. É fazer cumprir a Palavra de Deus, os desígnios, sonhos e projetos de Deus.  “Coordenadores vocês tem a obrigação de cumprir a vontade de Deus”.  Deus nos dá a autoridade para fazer crescer e dar frutos. “Nós somos as vestes de Cristo onde as pessoas tocam e são curadas. “Nós precisamos ser o rosto de Deus. 

Para termos a Autoridade Espiritual faz-se necessário ter dois passos: 

1. Ser batizado – todo batizado tem autoridade espiritual sobre sua vida.  No dia do seu batismo você foi revestido pela autoridade Espiritual, autoridade de filho de Deus.

2. Estado de graça – fomos agraciados por Deus para estar na coordenação. Temos a graça de coordenar.  

Lucas 9, 1

Se você um dia foi enviado por Deus, você tem a autoridade e poder. 

Deus nos deu autoridade e poder porque muitas vezes somos covardes, medrosos. Quantos coordenadores estão levando sua coordenação em “banho Maria” e por isso, os Grupos de Oração estão do jeito que estão. Quando você, coordenador, colocar em prática a autoridade espiritual, o poder que Deus te deu, nunca mais seu Grupo de Oração será o mesmo. Eu sou responsável e vou colher aquilo que estou plantando hoje no Grupo de Oração. 

Precisamos sair desse encontro hoje levando para nossos servos a autoridade espiritual. 

Lucas 10,19

Qual o inimigo que você precisa pisar hoje? O autoritarismo? O coordenador deve ter autoridade, mas não ser autoritário, coordenador não manda. O autoritarismo gera magoa, revoltas, falta de comprometimento. Por isso, não podemos ser autoritaristas, mas ser o primeiro a fazer para que os outros vejam e sigam. Quantos de vocês estão dando testemunho de vida para que suas ovelhas sigam?

Filipenses 2, 6

esus não se apegou a sua condição divina, mas se obedeceu e se humilhou. Quantas vezes estamos apegados ao nosso cargo de coordenadores. Jesus é nosso exemplo de autoridade espiritual, por isso, hoje precisamos nos humilhar, precisamos “descer do salto” para que Deus possa nos usar verdadeiramente e assim viver uma autoridade espiritual a exemplo de Jesus Cristo.  Não reclame de seus servos se você não está sendo o primeiro a viver a autoridade espiritual.

Seis são os pilares para a autoridade espiritual 

1- INTIMIDADE – Relacionamento com Deus. A intimidade só se conquista tendo um tempo com o outro.  Quanto tempo você fez uma vigília? Precisamos ter um tempo com Deus para criar a intimidade, assumimos o compromisso de estar com o Senhor. “as igrejas não vai mais estar de portas fechadas, Jesus não ficará mais sozinhos nos sacrários”. 

2- SANTIDADE / RETIDÃO – Andar na presença de Deus conforme a sua vontade. Alguém que tem a aliança com Deus. Você tem uma aliança com Deus? Então você precisa ter retidão, uma vida sobre o senhorio de Jesus Cristo. 

3- ARREPENDIMETO – se confessar. Quantos de nós estamos arrependidos verdadeiramente? Precisamos buscar sempre a reconciliação. 

4- OBEDIÊNCIA -  a obediência atrai as bênçãos de Deus. Não existe autoridade se não existe obediência. A obediência é uma autoridade completa. É necessário ser obediente e ter uma fé incondicional.

5- DOCILIDADE DO ESPIRITO- precisamos voltar a ter a docilidade espiritual, a ouvir a voz de Deus. Deus precisa falar em nossos grupos de oração. 

6- TESTEMUNHO DE VIDA – temos que comprovar nossa fé, precisamos ser testemunho de fé para as pessoas em todos os lugares que passamos. As pessoas precisam ver em você o rosto de Deus, a presença de Deus.
  
Se quisermos ter a autoridade espiritual a exemplo de Maria, Paulo, Pedro... precisamos colocar em prática todos esses pilares. Assumamos nossa autoridade espiritual e manifestemos o poder do Espirito Santo por onde passarmos. Onde você pisar o Espírito Santo pisará junto, onde estiver que o Espirito Santo esteja junto.  O espirito Santo deve agir dentro de nossos Grupos de Oração.  

Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra


Ouriçangas - Bahia